corner
Healthy Skepticism
Join us to help reduce harm from misleading health information.
Increase font size   Decrease font size   Print-friendly view   Print
Register Log in

Healthy Skepticism Library item: 18641

Warning: This library includes all items relevant to health product marketing that we are aware of regardless of quality. Often we do not agree with all or part of the contents.

 

Publication type: news

Relação entre médicos e IF: 'é possível fazer melhor!'
Jornal Médico de Família 2010 Sep 3
http://www.jmfamilia.com/index.php?option=com_content&task=view&id=1191&Itemid=27


Full text:

Portugal vai receber, no próximo mês de Outubro, uma referência mundial nas áreas do uso racional do medicamento e da relação entre médicos e indústria farmacêutica. Peter Mansfield, médico de família australiano, fundador e director da Healthy Skepticism – uma organização internacional sem fins lucrativos cujo principal objectivo é melhorar a saúde através da redução do dano causado pela promoção enganosa da indústria – defende, entre outros pressupostos, que “existem alternativas ao enorme peso que a indústria continua a ter na investigação e na formação médica contínua”. Uma convicção que defenderá em Portugal, na sede da Ordem dos Médicos, em Lisboa, a 9 de Outubro próximo e na da Secção Regional do Norte, no dia 11

Os médicos são influenciados pela promoção da indústria farmacêutica (IF)? As relações entre médicos e IF são sempre más ou promíscuas? A promoção da IF é mais benéfica que lesiva? Como podem os médicos aprender a ser críticos? O dinheiro da IF é vital para a investigação médica? Como é que podemos melhorar a relação entre a IF e os médicos, em prol da ciência e dos doentes?

Estas são algumas das questões a que o director da Healthy Skepticism, Peter Mansfield, procurará dar resposta, em dois seminários destinados a médicos e estudantes de Medicina portugueses – bem como a profissionais de saúde não médicos com especial interesse na investigação e no ensino -, que decorrerão na sede da Ordem dos Médicos em Lisboa (no dia 9 de Outubro) e no Porto (no dia 11 de Outubro).

Peter Mansfield trabalha como médico de família (MF) no estado da Austrália Meridional, é Research Fellow da disciplina de Medicina Geral e Familiar (MGF) da Universidade de Adelaide, na Austrália, e é o fundador da Healthy Skepticism, uma organização internacional sem fins lucrativos, cujo principal objectivo é melhorar a saúde através da redução do dano causado pela promoção enganosa da indústria.

Healthy Skepticism à conquista de adeptos em Portugal

Em Portugal, a Healthy Skepticism ainda tem uma expressão diminuta, “mas é só uma questão de tempo até que atinja o crescimento que tem vindo a conquistar em outros países do mundo”, explicou, ao nosso jornal, um dos poucos membros da organização no nosso país, Tiago Villanueva.

“De um total de 225 membros em 25 países, Portugal conta, no momento, com apenas três”, adiantou o interno do 3º ano de MGF, esclarecendo que “qualquer pessoa pode tornar-se membro da Healthy Skepticism, bastando para isso que apoie os objectivos da organização e que pague uma quota”.

Para além disso, todos os interessados estão convidados a registar-se gratuitamente no website da organização (www.healthyskepticism.org) e a tornarem-se free subscribers. “De momento, em Portugal, há 26 pessoas registadas na Healthy Skepticism neste regime, que recebem as newsletters e actualizações, gratuitamente”, explicou o formando da USF AlphaMouro.

Procurar fontes independentes de informação

Educação médica, formação contínua e investigação pela indústria farmacêutica: É possível fazer melhor! É o título dos seminários, através dos quais Peter Mansfield procurará explicar aos médicos e estudantes de Medicina portugueses que “a promoção enganosa é mais comum do que se possa pensar e que não existe uma forma de assegurar que os profissionais de saúde possam ser expostos a promoção enganosa sem serem induzidos em erro”. De acordo com o MF australiano, tal acontece tão simplesmente “porque somos humanos, logo, vulneráveis, por mais inteligentes que sejamos”. Mas, “existem alternativas ao enorme peso que a indústria continua a ter na investigação e na formação médica contínua”, sublinha o especialista.

Conscientes de que a IF tem “demasiada força e influência na agenda de formação médica contínua”, urge promover o conceito de “fontes independentes de informação e de formação, como por exemplo o uso de boletins fármaco-terapêuticos independentes, como a Therapeutics Initiative, do Canadá (www.ti.ubc.ca), e a Prescrire, de França (www.prescrire.org)”, sustenta o médico canadiano. A importância destes boletins fármaco-terapêuticos independentes e a necessidade de cada país criar os seus próprios boletins, será outra das mensagens que o responsável da Healthy Skepticism transmitirá aos médicos portugueses.

“Seria desejável que Portugal ganhasse massa crítica suficiente para começar a produzir as suas próprias fontes independentes de informação, nomeadamente os seus próprios boletins, que permitam, posteriormente, a adesão de publicações portuguesas à International Society of Drug Bulletins (http://www.isdbweb.org/) – organismo internacional que congrega publicações e boletins financeira e intelectualmente independentes da IF”, explica Tiago Villanueva, justificando a importância dos seminários ministrados por Peter Mansfield. Enquanto aguardam pela mudança, os médicos portugueses sempre podem socorrer-se do trabalho realizado na vizinha Espanha, onde existem “diversas organizações que produzem excelentes boletins, de acesso fácil e gratuito na Internet”, sugere o interno.

 

  Healthy Skepticism on RSS   Healthy Skepticism on Facebook   Healthy Skepticism on Twitter

Please
Click to Register

(read more)

then
Click to Log in
for free access to more features of this website.

Forgot your username or password?

You are invited to
apply for membership
of Healthy Skepticism,
if you support our aims.

Pay a subscription

Support our work with a donation

Buy Healthy Skepticism T Shirts


If there is something you don't like, please tell us. If you like our work, please tell others.

Email a Friend








As an advertising man, I can assure you that advertising which does not work does not continue to run. If experience did not show beyond doubt that the great majority of doctors are splendidly responsive to current [prescription drug] advertising, new techniques would be devised in short order. And if, indeed, candor, accuracy, scientific completeness, and a permanent ban on cartoons came to be essential for the successful promotion of [prescription] drugs, advertising would have no choice but to comply.
- Pierre R. Garai (advertising executive) 1963