corner
Healthy Skepticism
Join us to help reduce harm from misleading health information.
Increase font size   Decrease font size   Print-friendly view   Print
Register Log in

Healthy Skepticism Library item: 17849

Warning: This library includes all items relevant to health product marketing that we are aware of regardless of quality. Often we do not agree with all or part of the contents.

 

Publication type: Journal Article

Villanueva T
Centro Vasco de Información de Medicamentos CEVIME-MIEZ
Rev Port Clin Geral 2009; 25:724
http://www.osanet.euskadi.net/r8520361/es/ contenidos/informacion/presentacion_cevime/ es_1219/indice_c.html


Abstract:

Está demonstrado que falar com delegados de informação médica tem influência
sobre os hábitos de prescrição. Ao mesmo tempo, os médicos têm
necessidade de actualizar continuamente os seus conhecimentos sobre terapêutica,
que inclui tomar conhecimento sobre novos medicamentos.
Como solucionar este paradoxo? Em parte, a resposta passa pelo acesso
a fontes independentes de informação sobre medicamentos, nomeadamente
boletins farmacoterapêuticos, que em Portugal ainda não existem. Assim, é importante, por enquanto, continuar a ler boletins farmacoterapêuticos
estrangeiros, e só em Espanha existem vários. O Centro de Informação sobre Medicamentos do País Basco (CEVIME) é um recurso
abragente, em que destaco três coisas. Primeiro, o boletim mensal «Infac», que proporciona actualizações a nível da terapêutica farmacológica,
e é produzido por uma equipa multidisciplinar que inclui profissionais do Governo e da Universidade do País Basco.
Segundo, a secção «Crítica à publicidade», em que se procura chamar a atenção, através de um grafismo apelativo e eficaz, para os «truques
» que a indústria utiliza para favorecer a informação sobre novos medicamentos contida nos folhetos promocionais que os delegados
apresentam no centro de saúde. O último medicamento avaliado à data da realização deste artigo foi a duloxetina, e os autores chamaram a
atenção para a ocultação no folheto promocional dos efeitos adversos do medicamento ou da ausência de superioridade demonstrada face a
medicamentos como a venlafaxina ou a paroxetina.
Terceiro, a secção «Novo medicamento a exame», em que se faz uma revisão exaustiva da literatura sobre os novos medicamentos acabados
de lançar no mercado, e se emite uma recomendação final ao leitor, de acordo com uma escala que vai desde o «não se trata de um
avanço terapêutico» até a «importante melhoria terapêutica»..
Finalmente, é possível receber gratuitamente toda esta informação de que falei em casa pelo correio postal, bastando para isso contactar
o CEVIME.

 

  Healthy Skepticism on RSS   Healthy Skepticism on Facebook   Healthy Skepticism on Twitter

Please
Click to Register

(read more)

then
Click to Log in
for free access to more features of this website.

Forgot your username or password?

You are invited to
apply for membership
of Healthy Skepticism,
if you support our aims.

Pay a subscription

Support our work with a donation

Buy Healthy Skepticism T Shirts


If there is something you don't like, please tell us. If you like our work, please tell others.

Email a Friend








Cases of wilful misrepresentation are a rarity in medical advertising. For every advertisement in which nonexistent doctors are called on to testify or deliberately irrelevant references are bunched up in [fine print], you will find a hundred or more whose greatest offenses are unquestioning enthusiasm and the skill to communicate it.

The best defence the physician can muster against this kind of advertising is a healthy skepticism and a willingness, not always apparent in the past, to do his homework. He must cultivate a flair for spotting the logical loophole, the invalid clinical trial, the unreliable or meaningless testimonial, the unneeded improvement and the unlikely claim. Above all, he must develop greater resistance to the lure of the fashionable and the new.
- Pierre R. Garai (advertising executive) 1963