corner
Healthy Skepticism
Join us to help reduce harm from misleading health information.
Increase font size   Decrease font size   Print-friendly view   Print
Register Log in

Polí­ticas Farmacêuticas: a Serviçodos Interesses da Saúde?

By José Augusto Cabral Barros
2004

Mais iniciativas em favor do acesso a medicamentos essenciais


Diversas iniciativas vêm sendo tomadas no plano internacional, no sentido de atuar em defesa dos ‘medicamentos essenciais’ e dos ‘genéricos’ e do acesso universal aos mesmos, a exemplo do Fórum realizado em 12 de junho de 2001, na Colômbia que congregou organizações não-governamentais (como Oxfam, MSF, AIS) além de organismos com atuação continental,
como a Opas, no qual estiveram presentes 250 participantes, e que decidiu fazer uso de todos os espaços possíveis para contrapor sistemática campanha de desinformação destinada a desacreditar os medicamentos antes mencionados.

Em junho de 2002, ocorreu em Brasília a primeira reunião de ministros de Saúde do G-15, proposta no Encontro de Chefes de Estado dos países que compõem o mencionado grupo (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Egito, Índia, Indonésia, Irã, Jamaica, Quênia, Malásia, México, Nigéria, Peru, Senegal, Venezuela e Zimbabue). O propósito da reunião foi intercambiar idéias e soluções sobre os grandes problemas sanitários comuns, com ênfase na questão do acesso aos medicamentos. Os pontos mais importantes acordados foram:

• que se facilite o acesso universal a medicamentos como um direito humano;
• que os acordos internacionais de comércio, em especial Adpic, não se oponham ao acesso a medicamentos e à negociação de recursos adicionais para a saúde;
• que se amplie a estratégia de genéricos como um componente da política de medicamentos para melhorar o acesso e o uso racional. Ressaltou-se a necessidade de que os genéricos sejam intercambiáveis e com qualidade;
• que se trate de reduzir o incremento exagerado nos preços de medicamentos84 e as grandes diferenças, observadas eventualmente, nesse aspecto, entre as distintas marcas de um mesmo princípio ativo;
• que se facilite o acesso a informações confiáveis sobre mercados e preços internacionais, que permitam tomar melhores decisões; e

84 Vale citar a argumentação das empresas ao realçar que, em grande medida, a discussão sobre o tema confunde “preços” e “gastos” deixando de considerar os fatores que acionam o incremento do dispêndio farmacêutico e que se relacionaria menos ao incremento de preços que ao uso de produtos inovadores e preexistentes, devido, inclusive, à valorização crescente que os consumidores outorgam aos fármacos como fonte de melhores níveis de saúde (Keith, 2002).

• que se melhore a regulação de preços de medicamentos, considerando as imperfeições do mercado e sua capacidade de auto-regulação.

A MSF, organização de ajuda humanitária, que brinda assistência médica em mais de 80 países e que, paralelamente, busca sensibilizar a sociedade a respeito dos problemas enfrentados pelas comunidades a que se vincula, em 1999, criou uma Campanha pelo Acesso aos Medicamentos
Essenciais. Entre outras conquistas, a campanha vem conseguindo, com várias organizações não-governamentais, despertar e ampliar o interesse pelas dificuldades de acesso a fármacos básicos com o fornecimento, com preços menores, de medicamentos requeridos para enfrentar a tuberculose multirresistente e a produção de quatro medicamentos para combater a doença do
sono. Mais recentemente, a MSF com outras entidades (OMS, Rockfeller Foundation), convocou uma conferência realizada em outubro de 1999, cujo fruto principal foi a criação de um Grupo de Trabalho sobre Medicamentos para Enfermidades Esquecidas. O grupo, independente e multidisciplinar, congrega expertos, pesquisadores, profissionais vinculados a organismos
reguladores de países desenvolvidos ou não, vem estudando os fatores determinantes da crise de P & D de fármacos para doenças como leishmaniose, doença do sono, tuberculose e malária e propondo alternativas. O grupo vem reivindicando aos governos, organizações internacionais, entidades privadas o compromisso com estratégias que propiciem medicamentos para as
enfermidades olvidadas.

Em fevereiro de 2003, convocados pela OMS, Unaids e Unicef estiveram reunidos, entre outros, representantes da International Generic Pharmaceutical Alliance (IGPA) e Generic Manufacturers of Antiretrovirals (ARVs) tendo-se chegado à conclusão de que urge ampliar espaços de colaboração que no futuro devem contemplar aumento da competição com vistas a baixar preços e assegurar o fornecimento de fármacos essenciais para enfermidades prioritárias tais como Aids, tuberculose e malária.

Diversas outras organizações não-governamentais realizam trabalho intensivo e diversificado, algumas delas constituindo redes mundiais, como é o caso da HAI (Health Action International). Congregando grupos que trabalham em saúde ou na defesa dos interesses dos consumidores, a HAI atua em mais de 70 países, trabalhando em favor do uso racional dos medica- mentos, defendendo uma política em relação a esses produtos de tal forma que esses sejam sempre seguros, eficazes, tenham preços acessíveis e correspondam às necessidades médicas reais. Para isso, realiza campanhas, inquéritos, produção de material educativo para o público ou para profissionais de saúde, enfatizando a necessidade de controle sobre as atividades
promocionais e a disponibilidade de informações equilibradas e independentes.
Conta com escritórios de coordenação regional na África (Nairobi/ Quênia), Ásia (Penang/Malásia), Europa (Amsterdam/Holanda) e América Latina e Caribe (Lima/Peru) (vide Apêndice). Nesse último, a rede – Acción Internacional para la Salud (AIS) – está presente em 15 países, tendo no
Brasil, como grupos mais importantes, a Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos (Sobravime)85 e o Grupo de Prevenção ao Uso Indevido de Medicamentos (Gpuim).86

 

Next Section:
O Programa de genéricos brasileiro

Previous Section:
Genéricos – instrumento de ampliação de acesso x conflitos de interesse no mercado internaciona

Books homepage

Políticas Farmaceuticas homepage

 

Comments

Our members can see and make comments on this page.

 

  Healthy Skepticism on RSS   Healthy Skepticism on Facebook   Healthy Skepticism on Twitter

Please
Click to Register

(read more)

then
Click to Log in
for free access to more features of this website.

Forgot your username or password?

You are invited to
apply for membership
of Healthy Skepticism,
if you support our aims.

Pay a subscription

Support our work with a donation

Buy Healthy Skepticism T Shirts


If there is something you don't like, please tell us. If you like our work, please tell others. The contents of this page are the author's views and do not necessarily reflect the position of Healthy Skepticism or other members of Healthy Skepticism.

Please log in to access sharing tools.








What these howls of outrage and hurt amount to is that the medical profession is distressed to find its high opinion of itself not shared by writers of [prescription] drug advertising. It would be a great step forward if doctors stopped bemoaning this attack on their professional maturity and began recognizing how thoroughly justified it is.
- Pierre R. Garai (advertising executive) 1963